Ideias Políticas e História do Tempo Presente da América Latina entre 1998 e 2018: uma comparação entre Bolívia, Equador e Venezuela

Projeto desenvolvido pelo Prof. Dr. Rafael Araujo

Descrição: Entre a primeira eleição de Hugo Chávez para a presidência venezuelana, em dezembro de 1998, e o desfecho do golpe judicial-parlamentar contra Dilma Rousseff no Brasil, em agosto de 2016, observamos uma fase da história latino-americana marcada por governos de esquerda. Denominado de onda rosa, esse ciclo político caracterizou-se pela heterogeneidade programática, pelo questionamento das práticas políticas e econômicas neoliberais e pela adoção de um novo agir político que redimensionou o relacionamento entre governos, partidos políticos e movimentos sociais. Este projeto tem como objetivo geral fazer uma análise das histórias do tempo presente de três países latino-americanos, Bolívia, Equador e Venezuela, bem como uma análise panorâmica da América Latina em seu conjunto entre 1998 e 2018. Pretendemos contribuir com o desenvolvimento da área de História da América na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). O projeto está associado ao Laboratório de Estudos de Imigração (LABIMI), grupo de pesquisa ao qual o proponente desse projeto está vinculado. Analisaremos comparativamente os três países, que compuseram o grupo mais radicalizado dos governos de esquerda, por meio do estudo das ideias políticas. Para tal, buscaremos as abordagens sobre democracia participativa e socialismo do século XXI defendidas pelos presidentes da Bolívia, Evo Morales (2006-2019); do Equador, Rafael Corrêa (2007-2017); e da Venezuela, Hugo Chávez (1999-2013) e Nicolas Maduro (2013-XXX). Partindo da sistematização dos eixos temáticos propostos, construiremos uma reflexão histórica de base comparativa e interconectada sobre Bolívia, Equador e Venezuela. Esperamos que os resultados da pesquisa possam contribuir para a elaboração e consolidação das análises do campo da história do tempo presente latino-americana no que tange a abordagem das ideias políticas das esquerdas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *