REGIMES AUTORITÁRIOS, FASCISMOS E FORMAS DE RESISTÊNCIA.

REGIMES AUTORITÁRIOS, FASCISMOS  E FORMAS DE RESISTÊNCIA. (30 horas)

DIA: Quarta-Feira
HORÁRIO: 17:00 horas

PROFESSOR RESPONSÁVEL: Dr. Antônio Manoel Elíbio Júnior (UFPB)

OBJETIVO DA DISCIPLINA: Trata-se de uma análise das diversas formas que assumiram, durante a história contemporânea e o tempo presente, os regimes ditos de exceção, como ênfase nas formas da ditadura tradicional – pessoal, civil e militar – , as formas de bonapartismo e as formas históricas e contemporâneas de fascismo. Procuraremos relacionar a configuração das instituições e do Estado com a dinâmica dos grupos sociais e as formas de colaboração, consentimento, sedução e Resistência, entendidas tanto como trajetórias individuais como trajetórias coletivas de acomodação e Resistência perante os regimes  autoritários e os fascismos.

EMENTA: Análise das formas do Estado autoritário e os fascismos, das suas instituições e das relações com os grupos sociais e as formas de acomodação e resistência perante o autoritarismo estatal nas sociedades contemporâneas.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:

Unidade I Ditadura: formas, instituições, dinâmica e colapso. A Ditadura Clássica: Ditadura civil e a ditadura militar. O Varguismo e os Regimes Militares na América Latina. 

Unidade II: O Fascismo cotidiano Os micro-fascismos e o tempo presente. A banalidade do Mal e o Mal como Gozo. Hannah Arendt em face de Jean Amery. A fascistização na sociedade liberal. Fascismo e stalinismo. 

Unidade III: Os fascismos históricos: conceitos, formas históricas; fascismo-movimento e fascismo-Estado. O Caso dos “clérico-fascismo”: Espanha, Portugal; Fascismos e Grupos Sociais; Fascismos e formas de colaboração: acomodação, consentimento e “sedução”; A Resistência: a poliformia da Resistencia. “Neo”, “Pós”, “Proto” ou “Ressurgência” dos Fascismos. Necro-política.

CRONOGRAMA

TEXTO/TEMADATASEMINARISTA
Apresentação da disciplina Corpo e Negacionismo O Ardil Totalitário Fascismo e Autoritarismo em Plínio Salgado06 de maio 
Ditaduras civil-militares no Cone Sul Sobre as origens e motivações do AI513 de maio 
Sobre fascismos e ditadura Fascismo, crítica social El Nazismo: perguntas claves20 de maio 
Anatomia do Fascismo Eichman em Jerusalem A banalidade do mal27 de maio 
El fascismo como categoria Conservadorismo e extrema direita  03 de junho 
Neofascismo en las democracias Neofascismo na Itália10 de junho 
Como as democracias morrem Como funciona o fascismo17 de junho 
Corona vírus e fascismo Atormentados pelo Trumpismo “Gripezinha” o  neofascista  Bolsonaro diante da epidemia24 de junho 

METODOLOGIA DAS AULAS:


Seminários de leitura, aula expositiva, debates, debate de filmes e de material didático.

Os textos serão disponibilizados em pdf pelo Fórum do SIGAA. As aulas serão realizadas pela plataforma RNP ou Google Education.

AVALIAÇÃO

Apresentação de 2 textos (individual) (50 %)

Elaboração de um artigo acadêmico (50 %)

BIBLIOGRAFIA

Arendt, Hannah. Eichmann em Jerusalém. São Paulo, Companhia das Letras, 1999.

Duarte Loza, Daniel e Francia, Magalí. “Entre la manipulación y la resistencia. Tango e Folclore como sobrevivvientes de la ditadura cívico-militar. La Plata, Universidad Nacional. In:https://bellasartesestetica.files.wordpress.com/…/entre-la-….
Faye, Jean Pierre. Langages Totalitaires. Paris, Hermann, 1971.
Freud, Sigmund. O Mal-Estar na Civilização. Rio de janeiro, Imago, 1969. 
Gay, Peter. O Cultivo do Ódio. São Paulo, Cia das Letras, 1998.
Ginzburg, Carlo. História Noturna. São Paulo, Companhia das Letras, 1998, em especial a “Introdução”, p. 9 e ss.
Gramsci, Antonio. “Problemas Culturais” In: Obras Escolhidas. vol. II, pp. 207-208, Lisboa, Editorial Stampa, 1974.
Gramsci, Antonio. El “Risorgimmento”. Buenos Aires, Granica, 1974. 
Ingrao, Christian. Crer & Destruir. Os Intelectuais na Máquina de Guerra da SS Nazista. Rio de Janeiro, Zahar, 2015.
Kershaw, Ian e LEWIN, Moshe (Org.) Stalism and Nazism. Dictatorship im Comparaison. Cambridge, Unversity Press, 1997.
Kershaw, Ian. Der NS-Staat. Hamburgo, Rowohlt, 1995 ( há edição em inglês).
Kershaw, Ian. Hitler. São Paulo, Companhia das Letras, 2016.
Klemperer, Victor. LTI. A Linguagem do Terceiro Reich. Rio de Janeiro, Contraponto, 2009.
Milza, Pierre e Berstein, Serge. Le Fascisme Italien. Paris, Éditions du Seuil, 1980.
Mosse, George. Imagine of Man. Oxford, University Press, 1998.
Neumann Franz. Estado Democrático e Estado Autoritário. Rio de Janeiro, Zahar, 1969.
Parada, Mauricio. Fascismos. Conceitos e Experiencias. Rio de Janeiro, Mauad, 2008.
Poulantzas, Nicos. Ditadura e Fascismo. Lisboa, Editorial Estampa, 1970.
Runciman, David. Como as Democracias chegam ao fim. São Paulo, Todavia, 2018.
Teixeira Da Silva, Francisco C. (Org.). O século Sombrio. Rio de Janeiro, Elsevier, 2008.
Teixeira Da Silva, Francisco C. et Schurster, Karl. Ensino da História, Regimes Autoritários e Traumas Coletivos. Recife/Rio de janeiro, Edupe/Autografia, 2017.
Teixeira Da Silva, Francisco C. et Schurster, Karl. O Cinema Vai à Guerra. Rio de Janeiro. Civilização Brasileira, 2016.
Weale, Adrian. The SS: a new history. Londres, Ábacos Ed., 2011.

FILMES:
Au Revoir les Enfants, França, Louis Male, 1987.
Lacombe Lucien, França, Louis Male, 1974.
Section Spéciale ( Uma Sessão especial de Justiça ), Costa Gravas, França, 1974.
O Caso dos Irmãos Naves, Brasil, Luiz Sérgio Person, 1967.
Hiroshima, Mon Amour, França, Alain Resnais, 1959.
Roma, Città Aperta ( Roma, Cidade Aberta), Roberto Rosselini, 1945.
Germania, ora zero ( Alemanha, hora zero ), Itália/Alemanha, Roberto Rosselini, 1948.
Die Mörder sind unter Uns (Os Assassinos Estão Entre Nós), Alemanha, Wolfgang Staudte, 19

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *